João Monteiro é o campeão do Porto Open 2017

2017-08-06 17:44:00

No Porto mandam os portuenses. O dito pode já ter passado de moda devido à insistente repetição, no entanto, João Monteiro fez-nos relembrar o porquê da sua existência.
 
Na 18ª edição do Porto Open, entre os doze (!) tenistas portugueses que entraram no quadro principal masculino, João Monteiro foi quem mais se destacou: começou por deixar para trás o seu amigo Gonçalo Falcão, seguiu-se Rafael Matos - brasileiro com ares de surfista, mas com (muito) jeito para o ténis -, passando ainda por um espanhol duro de roer, Gutierrez-Ferrol, e um pragmático japonês de seu nome Makoto Ochi. Hoje, chegava a final do torneio. O adversário, esse, já é bem conhecido por cá: Javier Martí, especialista em terra batida, número 393 no ranking ATP e conhecido como “Il loco”.
 
No derradeiro encontro do Porto Open 2017, perante centenas de pessoas e debaixo de um quente sol de verão, Monteiro e Martí proporcionaram um belo espectáculo de ténis. Embora o espanhol tenha entrado o court com a agressividade que lhe é própria, João Monteiro entrou no Court Central do CT Porto com uma confiança inabalável. Foi assim que o primeiro set “voou” em pouco mais de 45 minutos: 6-2 para o português. No segundo set, quando Javi Marti conseguiu um break e ameaçava levar o encontro a um 3º set, Monteiro galvanizou-se e fechou o encontro com um 7-5.
 
Depois de, ontem, Tiago Cação e Nuno Deus arrecadarem o título de pares, o triunfo de João Monteiro fecha com chave de ouro esta 18ª edição do Porto Open. Os troféus masculinos ficam em Portugal. Mais um passo rumo a um futuro que, apesar de incerto, se avizinha risonho.
 
 
Michaela Honcova é campeã feminina

Embora, à partida para a prova feminina do Porto Open 2017, a eslovaca Michaela Honcova fosse a grande favorita à vitória, esse favoritismo resigna-se sempre à teoria. Na prática, todos sabemos como o ténis é imprevisível: “cada jogo é um jogo”.
 
A verdade é que, neste caso, as previsões revelaram-se correctas. No embate da final, que colocou frente a frente a eslovaca e a francesa Sara Cakarevic, segunda cabeça-de-série do quadro, a experiência e a persistência, acima de tudo, permitiram a Honcova arrecadar o seu mais expressivo título de singulares ($15.000).
 
Na final contra Cakarevic, Michaela Honcova até esteve a perder (5-7 no primeiro set), no entanto, a reviravolta viria a suceder após dois sets repletos de firmeza e persistência, sempre com o enfoque no erro da adversária. Assim viria a suceder: 6-1 no segundo e 7-5 no terceiro set permitiram o triunfo na grande final do evento.